terça-feira, maio 26, 2020

Inteligência Emocional na crise financeira
Catia Araujo

                     Aproximadamente 70 dias

Há aproximadamente 70 dias estamos no isolamento social. Algumas pessoas estão conseguindo se reinventar e ganhar mais dinheiro do que ganhavam antes da pandemia, usando as novas plataformas implementadas para trabalhar.
Existem aquelas pessoas que estão estressadas, agredindo seus conjugues verbalmente, fisicamente, se separando, ou seja, perdendo completamente o equilíbrio emocional tão fundamental nesta crise financeira que estamos
vivendo.
O mundo mudou de uma forma avassaladora nestes últimos dias. A forma de trabalharmos, o convívio 24 horas com os membros da nossa família, a forma de nos conectarmos com os nossos parentes, amigos, pessoas que amamos, colegas de trabalho, as reuniões, aulas, tudo ganhou uma forma nova e à distância, de se comunicar, que tem gerado muito estresse para todos que ainda
não estavam acostumados com este mundo online que veio para ficar.
Quais têm sido suas ações para sair deste isolamento social mais forte? Você tem buscado ajuda com especialistas sobre como agir na crise financeira? Quais
são as suas atitudes neste momento que você acredita que te levará para um nível de ascensão profissional depois deste momento de quarentena? Suas ações estão te levando para mais próximo ou mais longe de sair deste
isolamento social mais próspero em todas as áreas da sua vida?
Se você ainda não obteve atitudes e comportamentos que você acredite que irão levar você para um próximo nível quando este deserto passar, eu te convido a fazer uma meditação, assistir um bom filme, rezar, orar, fazer algo que te conecte com a sua essência. Só relaxando a mente é que será possível de buscar um caminho, uma alternativa que possa gerar expansão de consciência que traga os frutos financeiros que você tanto precisa neste momento.
As crises financeiras vêm para nos moldar, nos ajudar a amadurecermos e evoluirmos como pessoa, profissionalmente e como liderança. Ela nos obriga a
sair da zona de conforto que estávamos vivendo e compreender que podemos ir muito mais longe em todas as áreas da nossa vida. A decisão está em suas
mãos!
Todas as habilidades, competência e sabedoria estãodentro de você, basta apenas acessá-las.

segunda-feira, maio 25, 2020

Filósofo analisa per­das e ganhos da soci­edade pós covid-19

O filósofo e psicana­lista Fabiano de Abr­eu faz uma análise sobre as transformaçõ­es que a pandemia da covid-19 trouxe aos nossos costumes e hábitos e quais serão os reflexos disso no futuro.

Ainda longe do fim, a pandemia do novo coronavírus já causou transformações prof­undas em nossa socie­dade e no seu modo de vida. No entanto, alguns estudiosos ac­reditam que após o desenvolvimento da va­cina e a derrota des­ta doença, muitas de­stas transformações serão perenes.

O filósofo e psicana­lista​ Fabiano de Abreu​ têm conduzido uma série de estudos teó­ricos sobre os impac­tos da covid-19 na sociedade de agora e os possíveis desdobr­amentos no futuro: “Em uma sociedade pós pandemia ganharemos novos costumes e mo­ldaremos antigos com­portamentos. Nosso organismo já sofria com os efeitos de uma inadaptação à essa brusca virada em nos­sa chave cronológica­.”

Aceleração das mudan­ças

Abreu ressalta que é preciso um período de milhares de anos para nos adaptarmos a certas mudanças e que a agora estamos presenciando a acele­ração deste processo: “por exemplo, a in­ternet, chegou e nos mudou de forma abru­pta. Como consequênc­ia o sentimento de solidão nos acompanha­va. Já vínhamos nos sentindo sós, em meio a tantos rostos vi­rtuais, forçosamente nos vemos impelidos a um tipo de intera­ção dentro de uma no­va realidade que é a virtual. São milhar­es de rostos que pod­emos conectar a qual­quer momento, mas se­ntíamos e ainda sent­imos que nenhum deles consegue nos enxer­gar como somos verda­deiramente, ou até mesmo, quando fingimos ser quem não somos, e forjamos um perf­il que gostaríamos que fosse real. A for­ça da presença física traz uma outra dim­ensão à comunicação humana, para além da palavra dita ou esc­rita, ela causa um impacto emocional que traduz a essência singular de cada um de nós, através do no­sso comportamento.”​

Vida alternativa

O filósofo aponta que agora, onde somos forçados ao isolamen­to social para conter a pandemia, a vida virtual tentou esco­nder a nossa humanid­ade: “enquanto pensá­vamos que as nossas fragilidades e a nos­sa humanidade poderia ser manipulada atr­avés de uma tela de um gadget, ganhamos voz em forma escrita e falada, e percebe­mos que a nossa voz tinha e ainda tem o poder de percorrer o mundo em frações de segundos, tanto para o bem, quanto para o mal.

Mesmo que alguns se sentissem protegidos pela tela que nos separa, as agressões e as fake news demon­straram o poder que possuem, e nós nos tornamos seus reféns. Mas na vida não há crime sem castigo, estão nas consequênci­as das nossas ações.­”​

Fim das vidas perfei­tas de mentirinha

Para Fabiano de Abre­u, a pandemia fez mu­itos caírem na real e sairem do conto de fadas das redes soc­iais: " a pandemia nos forçou a solidão e modificou o nosso olhar para a importâ­ncia do virtual e pa­ra o futuro das rela­ções humanas. De man­eira impositiva e li­teral, tivemos que deixar um pouco as “s­elfies” de lado, a exposição e ostentação das nossas vidas “perfeitas”, para ena­ltecer o “self”, ou seja, o Si mesmo. So­mos nós mesmos a mai­or ameaça à nossa pr­ópria sobrevivência, mais do que o vírus. A pandemia nos fez iguais. O vírus não atinge apenas os pu­lmões dos pobres e não imuniza os ricos, para ele, ninguém é melhor que ninguém.­”​

Abreu admoesta que nunca tivemos a perce­pção tão exata do qu­anto somos finitos: “A finitude é um axi­oma e é totalmente democrática. Se já nos sentíamos perdidos, ao perdermos momen­taneamente o contato físico, passamos a valorizá-lo como nun­ca antes, pois é o que dizem: Só damos valor às coisas e as pessoas quando as pe­rdemos. Dessa perda surgiu a necessidade de amor ao próximo, surgiu também a cer­teza de que dependem­os uns dos outros pa­ra viver, e mais for­te ainda, dependemos uns dos outros para que possamos sobrev­iver ao vírus.”​

Um novo normal​

O estudioso aponta que países que obedec­eram as determinações de isolamento soci­al, em respeito a pr­ópria vida e a vida dos demais, aos pouc­os, estão se abrindo para um novo normal, onde tudo parece estar bem diferente: “Aquelas sociedades que ainda não tomaram consciência da gra­vidade da pandemia e de sua força, e que não respeitaram o isolamento social, es­tenderão os seus dias de sofrimento e de­morará ainda mais até que possam experim­entar esse novo esti­lo de vida. Perdemos vidas, perdemos rec­ursos financeiros, perdemos o contato com a família e com os amigos, perdemos a oportunidade de laze­r, de diversão e con­fraternizar, perdemos a liberdade de ir e vir. Mas ganhamos tempo com a família, ganhamos a oportuni­dade de dar atenção de qualidade aos nos­sos filhos, ganhamos uma maior consciênc­ia planetária, ambie­ntal, e principalmen­te, constatamos, fin­almente, a importânc­ia do autoconhecimen­to e do desenvolvime­nto da inteligência emocional.”​

As principais transf­ormações com a covid­-19 já se podem sent­ir, e devem perdurar: “o consumismo dese­nfreado deu lugar a um senso de necessid­ade, de reaproveitam­ento, de consciência. Ganhamos também te­mpo para valorizar o que não valorizávam­os como deveríamos.

Ganhamos tempo para repensar, projetar, reinventar e aprovei­tar a vida interior. Passamos a nos preo­cupar com o próximo, com o vizinho, com o sem teto, com os profissionais da saúd­e, com os idosos, que antes, nos faltava tempo e compaixão. Muitas destas mudanç­as irão refletir nas próximas gerações, pois a evolução não espera a vontade do homem, nós é que pre­cisamos adquirir con­hecimento para nos adaptar a essa nova realidade, o quanto antes, essa será a ba­se para uma vida em equilíbrio. E para nos sentirmos felizes nesse novo que já chegou, precisaremos uns dos outros, prec­isaremos nos unir, precisaremos cuidar uns dos outros.”

sexta-feira, maio 22, 2020

ESPAÇO MOTOR  
Joao Mendes

FORD COMEMORA SUCESSO DA SUA PICAPE


No atual cenário desafiador de vendas a Ford Ranger tem se destacado como a picape que mais ganhou participação dentro da indústria, com um avanço consistente no primeiro quadrimestre de 2020. Essa tendência é confirmada pelos resultados parciais de maio, que apontam a Ranger como o oitavo veículo mais vendido do mercado brasileiro e vice-líder do segmento. Em abril, a Ranger somou 1.070 unidades e ficou praticamente empatada na vice-liderança das picapes médias com 19,9% de participação – um crescimento de 1,3 ponto percentual comparado a março e 4,6 mais que em abril de 2019. Em maio, com as 910 unidades vendidas até o dia 18 sua participação já chegou a 25,9%, ficando mais próxima do primeiro lugar.

SEM A VENDA DE CARROS MERCADO DE PNEUS DESPENCA
Em abril, a indústria nacional de pneumáticos teve queda de 74,6% em comparação ao mesmo período de 2019. O resultado é consequência da baixa acentuada nas vendas para montadoras (-96,8%) e para o mercado de reposição (-65,2%). Com isso, o mês fechou com um total de 1.202.616 unidades comercializadas. Os dados fazem parte do levantamento setorial divulgado pela Associação Nacional da Indústria de Pneumáticos (ANIP).

FIAT CHRYSLER ENTREGA HOSPITAL
A Fiat Chrysler Automóveis (FCA) entregou no último dia 20 ao Governo de Pernambuco um hospital de campanha totalmente equipado para o atendimento de casos da Covid-19. Montado no prédio da Unidade Pernambucana de Atenção Especializada (UPAE) construído pela própria FCA no município, o hospital conta com 100 leitos, dos quais três de estabilização em sala vermelha, para casos mais graves, e outros 97 em enfermaria. A operação da unidade, que ficará sob a responsabilidade do Governo do Estado, já se iniciou.

ESTA CHEGANDO A DUCATI PANIGALE SUPERLEGGERA V4
O Presidente da Ducati Motor Holding, Claudio Domenicali, anunciou via Twitter que a exclusiva motocicleta Ducati Panigale Superleggera V4 já está em produção e agora segue para testes finais. O novo modelo Superleggera V4 é a produção mais poderosa e tecnologicamente avançada já fabricada pela Ducati e será produzida como uma edição limitada de apenas 500 motocicletas numeradas individualmente. A Superleggera V4 é a única motocicleta de rua do mundo com chassi, braço oscilante e rodas de fibra de carbono, aerodinâmica extrema com duas asas (biplano), e uma relação potência/peso de 1,54 hp/kg na configuração do kit de corrida - uma equação recorde para uma motocicleta de rua. No Brasil o novo modelo já pode ser encomendado numa das concessionárias Ducati.

VOLKSWAGEN NIVUS CHEGA AINDA EM MAIO
Seu lançamento foi anunciado para junho mas a Volkswagen informa que no dia 28 de maio fará a apresentação mundial do SUV compacto, o Nivus. A Volkswagen para anunciá-lo diz que é um carro lindo, moderno, versátil e conectado. Vamos conferir !